X

0 Comentários

Festivais

45ª Mostra SP (2021) – Coisas Verdadeiras

Retrato de um ser-humano, complexo como só ele consegue ser.

Por Luiz Joaquim | 26.10.2021 (terça-feira)

Entre as centenas de filmes ofertados pela 45ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo é possível fazer interconexões estéticas e/ou temáticas da mais variadas possíveis. Resolvemos destacar aqui três títulos forte – cada um a seu modo – protagonizado por mulheres em seu limite, e tendo o sexo como um elemento preponderante em cada trama. São eles Má sorte no sexo ou pornô amadorIrmandade e Coisas verdadeiras.

Importante dizer que, apesar dessa preponderância, os três filmes estão menos interessados no sexo, e mais curiosos sobre o seu efeito nessas mulheres, aqui mostradas como originalmente frágeis, mas fortes na hora certa para a decisão.

Coisas verdadeiras (True Things, GB, 2021), de Harry Wootliff

O que há de mais intrigante, e realmente envolvente, nesta adaptação escrita e dirigida por Wootliff para o homônima livro de Deborah Kay Davies, é a complexidade de sua protagonista e como a atriz britânica Ruth Wilson abraçou tal personagem, dando as nuances necessárias para que não apenas acreditemos nela, mas para que gostemos, sigamos e, num certo sentido, possamos entendê-la em suas limitações.

Talvez a chave aqui tenha sido apresentar Kate (personagem de Wilson) de maneira muito verdadeira, como um ser carente, emocionalmente frágil, como qualquer um pode ser, e não ressaltando apenas os problemas próprios de uma mulher apaixonada pelo cara errado.

Burke e Wilson em “Coisas Verdadeiras”

O cara errado nem nome tem. É chamado em Coisas verdadeiras por Blond (ou Loiro). Vivido pelo ator Tom Burke – aqui com os cabelos descoloridos –, Blond conhece Kate em seu trabalho. Ela, uma secretária burocrata numa agência de assistência social, ele, um ex-presidiário charmoso que a convida para sair.

Burke aqui abusa de seu charme – não à toa, o ator esteve no oscarizado Mank, interpretando ninguém menos que Orson Welles -, e o seu ‘Loiro’ faz rapidamente as coisas acontecerem na pacata vida da solitária Kate.

A questão é: ao mesmo tempo que o desregrado Blond abre um novo mundo libertário, aparentemente nunca experimentando (mas desejado!) por Kate, a vida social da moça começa a arruinar em várias direções.

O que há, portanto, de complexo aqui, é o que há de complexo na vida, quando ela (a vida) cobra alto, inclusive, pela liberdade de você ser quem você deseja ser.

E o roteiro de Wootliff é cuidadoso o suficiente para deixas as arestas necessárias abertas, de modo que o espectador não julgue a pobre Kate – mesmo estando claro que o caminho que ela toma não é exatamente o saudável nessa relação com Blond.

O que iremos, espectadores, fazer é apenas acompanhá-la, e gostar dela. Coisa que, por si só, já é uma vitória gigantesca em termos de dramatúrgica e de performance. O filme exibiu nos festivais de Veneza, Toronto e Londres.

Leia também sobre:

Má sorte no sexo ou pornô amador (Babardeala cu Bucluc Sal Porno, Rom./ Rep. Tcheca/Luxemb./Croa., 2021), de Radu Jude. (clique aqui)

Irmandade (Sestri, Rep. Tcheca/Maced./Kos, 2021), de Dina Duma (clique aqui)

Nenhum campo encontrado.

Mais Recentes

Publicidade