X

0 Comentários

Festivais

48º Gramado (2020) – O Samba é Primo do Jazz

Quando a programação ajuda a destacar o que há de valioso em cada filme.

Por Luiz Joaquim | 22.09.2020 (terça-feira)

O destaque da noite de ontem (21) na programação competitiva do 48º Festival de Cinema de Gramado ficou com a própria programação. Foi mais que acertada a reunião dos quatro títulos escolhidos para compor os programas de curtas-metragens e longa brasileiro, além do longa estrangeiro (no caso, uruguaio).

Isso porque Wander Vi, o curta do Distrito Federal, assinado por Augusto Borges e Nathalya Brum, sobre o jovem aspirante à artista que dá título ao filme funcionou como uma peça audiovisual do presente que toca em questões caras ao passado da protagonista do longa carioca O samba é primo do jazz, de Angela Zoé. Nesse último, a diretora revisita a trajetória e a persona de Alcione, um dos nomes mais queridos, há décadas, da música brasileira.

O longa é, enfim, uma dedicatória de amor a nossa Marrom. E quando usamos tal pronome possessivo à frente de uma artista, significa que ela já ganhou uma dimensão gigantesca, a ponto de ser considerado um patrimônio brasileiro.

A relação entre Wander Vi e Alcione – e foi particularmente interessante ver os filmes tão próximos – se dá por conta de três aspectos: a paixão absoluta e a centralidade da música na vida de ambos os personagens; a dificuldade no início da carreira (sendo, no caso do jovem Walder Wi, esse o atual estágio da sua carreira musical); e a escancarada alegria de viver, desde que a música esteja constantemente presente na vida dos dois.

Festival providencia procedimentos diários de higienização das instalações do Palácio dos Festivais (crédito: Cleiton Thiele/Agência Pressphoto)

Mais uma curiosidade une os dois documentários. Tanto Wander Vi quanto Alcione abrem seus filmes sendo entrevistados num meio de transporte em movimento. Enquanto a Marrom fala à câmera sentada num tuk tuk lisboeta, Wander Wi conversa com Nathalya Brum sentado num táxi, ou uber, no Distrito Federal.

No caso de O samba é primo do jazz, o sumo deixado pelo documentário concentra o que há de autêntico e, portanto, rico e valioso, no trabalho de Alcione, ressaltando o reconhecimento que a artista merece como uma das peças fundamentais que formam o mundialmente invejado mosaico da música popular brasileira.

No caso do segundo curta brasileiro, Extratos, de Sinai Sganzerla, a comunicação se deu com o longa El gran viaje al pais pequeño, de Micaela Solé, ainda que em escala mais sutil, é verdade. Isso porque, no curta, Sinai amarra sobras de imagens feitas em Super-8 por Rogério Sganzerla (1946-2004) e Helena Ignez no período em que o casal se exilou no exterior (passando por Londres, Marrakech, Rabat e a região desértica do Saara) entre 1970 e 1972. Sob o off de Helena Ignez, temos uma costura de belas imagens e muitas cores, e seguimos nesse trajeto que, na realidade, foi traçado com bastante dificuldades pelo casal.

O longa uruguaio também parte de um movimento de fuga dos protagonistas por questões políticas em seu país de origem. No caso, temos prioritariamente a família síria de Sanaa e Ibrahim Almohammad, aderindo a um acordo diplomático para ir morar em Montevideo e escapar da guerra (leia em breve aqui no CinemaEscrito, crítica sobre El gran viaje al pais pequeno).

Acompanhe a entrevista de hoje (22) com os realizadores dos filme exibidos na noite de ontem (21) no vídeo abaixo, hospedado no canal do Festival de Gramado no YouTube.

Fields marked with an * are required

assine e receba
novidades por email

Mais Recentes

Publicidade