X

0 Comentários

Festivais

48º Gramado (2020) – Um Animal Amarelo + curtas

Uma fábula revisionista pela ótica dos colonizados e a partir de um patético cineasta.

Por Luiz Joaquim | 21.09.2020 (segunda-feira)

– na foto divulgação, acima, de Edison Vara, o crítico e apresentador Roger Lerina entrevista equipe de Um Animal Amarelo.

O melhor filme de Felipe Bragança. É o que se pode afirmar com razoável tranquilidade ao fim de uma sessão de Um animal amarelo – terceiro longa-metragem brasileiro exibido em competição nacional no 48º Festival de Cinema de Gramado. Na verdade, a obra é uma das mais instigantes feitas recentemente no Brasil sobre o Brasil; sendo a nossa origem, a nossa identidade (o que é isso?), nosso lugar no mundo e as nossas pretensões os alvos explícitos do discurso cinematográfico do filme.

Vai além dessa lista, na verdade, o desejo de alcance de Felipe com o seu Animal. E ele é exitoso.

Com suas imagens postas e sobrepostas por diversas proposições de leituras que chegam ao espectador por uma poética narração em off, numa voz luso-feminina a percorrer todo o filme (mas sem nos cansar), temos aqui, encerrado no enredo, um casamento bem refinado entre a trajetória tragicômica e fabular de um cineasta brasileiro, com o peso da herança deixada pelos colonizadores do Brasil e, além disso, a sombra (o ‘animal amarelo’) da vilipendiada cultura africana que segue o nosso herói por onde ele for.

Felipe ainda abre espaço para uma revisão de poderes a partir da relação entre colonizador e ex-colonizado, estando Portugal e Moçambique no centro desse embate.

Soa confuso? Mas não é. A opção pelo humor com o qual Felipe impregna o nosso herói Fernando (Higor Campagnaro) – um jovem realizador brasileiro desejoso de contar por um filme a história de seu avô Sebastião (Herson Capri), mas que vai parar na fronteira entre Zimbábue e Moçambique e, depois, em Portugal negociando joias – facilita a deglutição a respeito de tanta autorreflexão sobre o lugar do brasileiro (o patético Fernando) no mundo. Ou, ainda, de brasileiros, artistas da geração de Fernando (e de Felipe), nascidos nos 1980, num país sob a então perspectiva da redemocratização, após duas décadas de ditadura militar.

Felipe Bragança reiterou o termo ‘ruína’ em sua apresentação do filme na noite de ontem (20) e no debate on-line de hoje (21). E, de fato, ver o filme em 2020 exulta essa ideia de ruína, e a conexão da obra com ela está, inclusive, em destaque no enredo. Por exemplo, na última das cinco partes em que o filme é dividido (1. Memórias coloniais; 2. Um herdeiro; 3. Fábula do pirata falido; 4. As merdas eternas de Portugal; 5. Tristeza tropical), estamos no Rio de Janeiro de 2019. Fernando está de volta da sua aventura na África e Europa, e reencontra seu país tendo como trilha sonora a voz do presidente Jair Bolsonaro esbravejando equívocos pela televisão.

Nesse sentido, Um animal amarelo, parece funcionar como um símbolo redondamente bem resolvido de um período de alegria e promessa de autoconhecimento nacional – corporificado por Fernando -, com esse período abrangendo a trajetória do protagonista desde seu nascimento, em 1984 (parte 2 do filme), até o reencontro com o país em colapso, regido pelo caos, em 2019.

Mas, ainda que alegre e promissor, aquilo que nasce em 1984 é assombrado pelo ‘animal amarelo’. As sombras, fantasmas ou, como se queira nomear, entidades que representam a cobrança aos brancos pelos séculos de opressão e violência praticadas contra escravos e afrodescendentes no Brasil parece ser uma tônica que merece destaque neste Gramado 2020. Haja visto Todos os mortos, realização também de diretores brancos, em que uma de suas personagens relaciona-se, num estupor, com imagens de escravos mortos.

– Cena de “Um Animal Amarelo”

Nesse sentido, a proposta autoderrisória – para aproveitar um termo usado pelo mediador do debate de hoje, Roger Lerina – com volume alto (mas elegante) de Um animal amarelo poderia ser lida também como uma carapaça de autoproteção? Afinal, a reiterada descrição depreciativa a respeito da patetice de Fernando diante da África, diante da Europa, de seu país e de si próprio, pode soar também como uma capa de segurança do filme contra uma possível situação de confronto a respeito da ideia de lugar de falar – ponto absoluta e crescentemente caro (com razão) àqueles que reivindicam seu lugar.

Mas, deixando a conclusão sobre tal questão para quem é de direito (que não é este crítico pardo a escrever aqui), o que podemos afirmar é que Animal amarelo merece visão, revisão e nova revisão, uma vez que Felipe demonstra agora não apenas um confortável domínio sobre a sintaxe cinematográfica, mas, por ela, nos faz acessar algo maior. Algo que tira o espectador do lugar de espectador, tornando-o também um contestador sobre a nossa responsabilidade nisso tudo.

CURTAS – A mostra competitiva da terceira noite do 48º Festival de Gramado iniciou forte com o belo e duro curta-metragem de Henrique Amud e Lucas H. Rossi dos Santos, forjado a partir de imagens de arquivo, em sua maioria, para cobrir a fala do jornalista Dermi Azevedo.

– Cena de “Atordoado, Eu Permaneço Atento”

Em Atordoado, eu permaneço atento, Dermi conta sua própria trajetória profissional e, com sua voz compassada, ao tratar dos abusos contra a humanidade praticados pela ditadura no Brasil, empresta ao filme a urgência de sua veiculação em 2020. É particularmente tocante a forma como expressa sua preocupação diante daquilo que nunca mais esperava ouvir, como por exemplo, um presidente da república do Brasil saudar um torturador. Dermi expressa: “O povo parecer não perceber, por incompreensão, a gravidade de tudo isso”.

Atordoado, eu permaneço atento firma, portanto, sua premência em propor ouvirmos os mais velhos, os mais experientes. Aqueles que experimentaram a dor em sua personalização mais cruel.

O curta-metragem seguinte, o carioca Blackout, de Gabriela Freitas, iniciou promissor, mas logo caiu numa estrutura simplória para disparar seu discurso contra o racismo. Discurso também urgente e necessário, mas aqui com impacto cinematográfico limitado.

Acompanhe a entrevista de hoje (21) com os realizadores dos filme exibidos na noite de ontem (20) no vídeo abaixo, hospedado no canal do Festival de Gramado no YouTube.

Fields marked with an * are required

assine e receba
novidades por email

Mais Recentes

Publicidade