X

0 Comentários

Artigos

O Netflix system

Netflix e a sedimentação daquela velha e boa hegemonia mercadológica.

Por Luiz Joaquim | 05.08.2016 (sexta-feira)

Assim como os grandes estúdios de Hollywood há 100 anos, a Netflix começa a sedimentar seu império pela mesma estrutura que tornou a Paramount Pictures, a Universal Studios, a Metro Goldwyn Mayer, e a 20th Century Fox, entre outras, nos gigantes que todos conhecemos em algum momento.

São muitos os detalhes que explicam a hegemonia do cinema norte-americano no mundo há já pelo menos dez décadas. A 1a Guerra Mundial foi, sem dúvida, um dos eventos que propiciou tal poderio de controle sobre um mercado específico.

Mas a relação que queremos estabelecer nesse brevíssimo ensaio entre o passado da indústria cinematográfica e o presente da indústria de filmes no formato streaming vincula-se a um dos tripés que sedimentaram de uma vez por todas o modelo de reinado absoluto dos grandes estúdios de Hollywood.

Essa última perna do tripé foi conquistada particularmente no início dos anos 1920, e diz respeito ao momento em que os estúdios passaram a ser donos de suas próprias salas de exibição. Ou seja, quando passaram a ter a autonomia de programar em suas próprias salas de cinema os filmes que produziam, fechava-se assim o circuito completo de seu produto.

net4

Uma vez que tinham total controle da produção de suas obras, uma vez que já eram “donos” por contrato das estrelas que brilhavam em seus filmes – formando a ideia do star system (essa é uma outra história, que no Brasil ainda hoje é copiada pela TV Globo) – e uma vez que passavam a controlar os auditórios onde seus filmes seriam exibidos, nada poderia derrubá-los.

Até que uma lei em 1948 obrigou os estúdios a abrirem mão de suas próprias salas e a dividir os lucros com os exibidores. Um modelo de negócio que tornou-se standard até hoje.

O Brasil também teve seu momento nesse cenário. Mas o caminho foi invertido. Na verdade foi a primeira grande rede exibidora do Pais – o Grupo Severiano Ribeiro – que procurou o maior estúdio nacional – no caso, a Atlântida -, e não o inverso.

Em seu artigo, Industrialização e cinema de estúdio no Brasil: a fábrica “Atlântida”, o professor João Luiz Vieira lembra que o interesse do empresário exibidor vinha “ao encontro de uma situação que lhe era favorável, permitida pela obrigatoriedade de reserva de mercado para filmes brasileiros, o célebre decreto nº 20.493 de 24 de janeiro de 1946. Tal dispositivo determinava que os cinemas teriam que exibir, anualmente, pelo menos três filmes nacionais”.

E continua: “Ribeiro, ao cumprir com total empenho esse decreto, passava a produzir para os seus próprios cinemas, garantindo assim, todos os lucros de uma cadeia onde ele também era o distribuidor. Com a montagem de seu próprio laboratório de revelação, a Cinegráfica São Luiz, uma cadeia econômica de produção se fechava de forma inédita no cinema brasileiro. Com muitos cinemas espalhados pelo país, o grupo garantiu uma visibilidade também até então inédita para o filme nacional”.

O PRESENTE

Quando hoje acessamos as redes sociais, ou mesmo a mídia mais tradicional (jornais, revistas), e vemos que a estreia de um produto criado e recém-lançado pela Netflix – como a série Stranger things (15.jul.2016), por exemplo – repercute muito mais, em detrimento à principal estreia da mesma semana nas salas de cinema (no caso, o filme A Lenda de Tarzan), fica claro que a Netflix, como primeira empresa em escala mundial (tornou-se Global em 2016) a popularizar o comércio de filmes no modelo streaming só se fortalece, e exatamente pelo mesmo modos operandi dos estúdios, há 100 anos.

 

net5

Em outras palavras, a empresa cria seus próprios produtos – iniciou em 2013 com a série House of cards – e faz com que seus assinantes assistam exclusivamente – no início, ao menos – pela sua plataforma, criando uma fidelização pelo produto e pelo seu ambiente virtual de consumo que antes só existia no modelo da primeira metade do século passado, criado pelos estúdios de Hollywood.

Não se espante, portanto, se, em breve, a Netflix anunciar que assinou um contrato de exclusividade com algum ator/atriz adolescentes, revelação em alguma de suas produções. Cria-se assim, o que poderíamos batizar de Netflix system.

Já que os tempos são outros, talvez não demore três décadas – como aconteceu no século passado – para uma nova lei ser criada e regular esse sistema tão particular que por enquanto enche de alegria (e fortuna) estes empresários do mercado do audiovisual por streaming.

E, claro, enche também a sua cota de alegria, leitor, que talvez nem tenha parado para entender exatamente quando foi que passou a usar sua smart-tv para assistir apenas Netflix.

A ver.

Fields marked with an * are required

assine e receba
novidades por email

Mais Recentes

Publicidade