X

0 Comentários

Reportagens

Brennand destrói sua arte no cinema

O artista se veste de “coisa ruim” para simbolizar o censor de sua obra em novo filme de Liz Donovan

Por Luiz Joaquim | 20.12.2019 (sexta-feira)

– publicado originalmente na capa do ‘Caderno C’ do Jornal do Commercio (Recife) em 6 de agosto de 1999 (sexta-feira). Crédito das fotos, Mariana Guerra. 

Nasce hoje, às 10h, o mais jovem ator pernambucano. A cineasta Liz Donovanvai dar à luz ao seu quarto filho ao mesmo tempo em que sua equipe de filmagem registra o parto para utilizá-lo no curta-metragem O universo imaginário de Francisco Brennand. O título é provisório, mas a temática é a mesma desse artista internacionalmente reconhecido: a a transformação da matéria envolvendo a criação do mundo.

Brennand não gosta que se faça relações com o erotismo em sua obra – motivo inclusive de toda a polêmica em que está envolvido atualmente, para sua própria contrariedade. Segundo o artista, o que existe nos seus trabalhos em cerâmica é “a carga pesada da força sexual”, e que o erotismo é cultural.  Segundo Mário Vargas Llosa, na sexualidade, em sua expressão plástica, há uma certa espiritualidade, e é justamente nessa essência em que irá mergulhar o filme de Liz Donovan.

O ceramista liga sua obra à sexualidade, pois esta serve à procriação e à reprodução. A metáfora dos trabalhos do artista terá sua representação nas imagens do parto da cineasta. “Em todo nascimento há algo de belo e trágico. Há uma violência que está presente em tudo que é orgânico” diz Donovan. Alternando com as cenas do nascimento, o curta vai intercalar imagens microscópicas de organismos vivos e esculturas de Brennand, como a que versa sobre a origem do mundo, com a uma serpente quebrando o ovo que a protege. O filme será “costurado” depoimentos do artista , além de mostrar imagens aéreas do seu atelier.

VETO – Sem esconder sua revolta com a censura que sofreu pela proposta de seu trabalho para compor o projeto Eu vi o mundo… ele começava no Recife  – que envolve um parque de esculturas nos arrecifes em frente ao Marco Zero – Brennand revela que vai fazer um manifesto contra o veto que recebeu contra sua torre de 30 metros de altura lembrando uma nave interplanetária. “Irei destruir uma de minhas peças diante das câmeras da equipe de filmagem”, diz o artista. Caracterizado como  “o coisa ruim”, usando um sobretudo negro e óculos escuros, Brennand irá simbolizar o censor que não quis se identificar.

O universo imaginário de Francisco Brennand está sendo captado em película (16mm) e vídeo (batacam digital) para depois ser finalizado na bitola 35mm. As filmagens terminam hoje, mas o projeto ainda não tem data de conclusão. Donovan revela que tem encontrado dificuldades para captar recursos financeiros. “Mesmo com a existência da Lei de Incentivo à Cultura algumas empresas desenvolveram mecanismos interno para não apoiar o cinema”, revela a diretora. Por enquanto, o único patrocinador do curta é a BCP Telecomunicações.

Essa mesma questão envolve Tapacuráum outro projeto da cineasta em parceira com Nelson Caldas Filho. Donovan, que assinou a direção de arte de Clandestina felicidade, diz que está ainda em busca de apoio e aproveita o período para fazer ajustes no roteiro. O filme pretende contar, de forma cômica, os efeitos provocados pelos boatos sobre o rompimento da barragem de Tapacurá em 1975. O filme deve estrear em março. [de 2000]

Nota do editor, 20 de março de 2019:

Em 1999 eu era um foca. E no Jornal do Commercio (Recife) seguia sugerindo pautas voltadas para o Cinema. Aquela foi uma década excitante para o crescente cinema feito em Pernambucano. Nela, pautas melhores do que eu imaginava caíam no colo da gente como a cobertura das filmagens de um curta metragem – no caso “Brennand: De Ovo Omnia”, de Liz Donovan – acontecendo na usina cerâmica do artista. Lembro da excitação de ir para mais um set e neste, em específico, iria trocar ideias com um gigante internacional. Lembro também de ter encolhido diante do gigante. As perguntas saíram sem força e me comportei mais como um observador de tudo do que como um entrevistador. A matéria foi publicada menor do que eu gostaria, mas foi, e ainda assim chamou atenção nacional porque nela Brennand revelava, com exclusividade, que iria quebrar uma de suas peças em protesto pela censura que estava sofrendo a respeito de seu projeto que hoje faz parte da paisagem do Recife – no Marco Zero. A declaração chamou tanta atenção que no mesmo dia da publicação da matéria, a produção do programa “Fantástico”, da Rede Globo, telefonou ao Jornal do Commercio pedindo para falar com o repórter da matéria. Queriam mais detalhes e também o contato da cineasta, talvez para pagar por imagens do artista enfurecido. Neste finalzinho de 2019 Brennand já vai fazendo falta, e não apenas pelo seu talento, mas também como um exemplo gigante que foi de um artista enfurecido contra a censura.
Veja o curta-metragem Brennand: de Ovo Omnia (2000) clicando aqui
Fields marked with an * are required

assine e receba
novidades por email

Mais Recentes

Publicidade