X

0 Comentários

Festivais

50. Brasília (2017) – premiação

“Arábia” vence como o melhor filme do 50. Festival de Brasília

Por Julio Cavani | 25.09.2017 (segunda-feira)

Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this page

(em foto de Júnior Aragão, equipe de Arábia recebe premiação de melhor filme no Cine Brasília)

Ao premiar Arábia com o troféu candango, o júri do 50. Festival de Brasília do Cinema Brasileiro não apenas reconhece a excelência do filme, como também o assinala no atual contexto brasileiro de históricos retrocessos trabalhistas. Uma das principais contribuições do longa-metragem mineiro, afinal, é proporcionar um raro retrato íntimo de um trabalhador que passa pela indústria e pela agricultura em condições precárias de emprego, enquanto enfrenta uma sempre iminente melancolia provocada por relações pessoais e pelas adversidades da vida de operário.

O filme surgiu na última noite da competição de longas de um festival que foi marcante principalmente por causa das discussões políticas e sociais estimuladas pelas obras vistas na tela do Cine Brasília. Sem ter dividido opiniões ou provocado polêmicas e com uma boa aceitação unânime, Arábia desempenhou um papel conciliatório ao contemplar questões de representatividade com o necessário cuidado.

Os diretores João Dumans e Affonso Uchoa elaboraram um digno retrato de um personagem marginalizado, apresentado em cenas elaboradas com esmero artístico em aspectos inclusive literários e pictóricos. No lugar de adotar uma estética da pobreza, eles dão ao protagonista a classe cinematográfica que ele merece enquanto ser humano. Arábia é um filme extremamente complexo e ao mesmo tempo transmite uma poderosa simplicidade emocional a partir de sua figura central, interpretada por Aristides de Sousa, vencedor do merecido candango de melhor ator.

Nas demais premiações, vale sublinhar que todos os seis atores e atrizes vencedores de candangos este ano são negros e negras. Além disso, os dois prêmios de direção de fotografia (para curta e longa) foram entregues para mulheres. Além de Arábia, o filme baiano Café com canela também foi um grande campeão da noite ao conquistar a categoria do júri popular, que oferecia a maior premiação em dinheiro (R$ 200 mil em serviços de distribuição).

*jornalista viajou a convite do Festival.

Premiados oficiais

Longa-metragem

Melhor Filme: Arábia, dirigido por Affonso Uchoa e João Dumans

Melhor Direção: Adirley Queirós por Era uma vez Brasília

Melhor Ator: Aristides de Sousa por Arábia

Melhor Atriz: Valdinéia Soriano por Café com canela

Melhor Ator Coadjuvante: Alexandre Sena por Nó do Diabo 

Melhor Atriz Coadjuvante: Jai Baptista por Vazante

Melhor Roteiro: Ary Rosa por Café com canela

Melhor Fotografia: Joana Pimenta por Era uma vez Brasília

Melhor Direção de Arte: Valdy Lopes JN por Vazante.

Melhor Trilha Sonora: Francisco Cesar e Cristopher Mack por Arábia

Melhor Som: Guile MartinsDaniel Turini e Fernando Henna por Era uma vez Brasília

Melhor Montagem: Luiz Pretti e Rodrigo Lima por Arábia

Prêmio Especial do Júri: Melhor Ator Social para Emelyn Fischer, por Música para quando as Luzes se apagam

 Júri Popular ( Prêmio Petrobras de Cinema) longa-metragem: Café com canela, dirigido por Ary Rosa e Glenda Nicácio

Curta-metragem

Melhor Filme: Tentei, dirigido por Laís Melo

Melhor Direção: Irmãos Carvalho por Chico

Melhor Ator: Marcus Curvelo por Mamata

Melhor Atriz: Patricia Saravy por Tentei

Melhor Roteiro: Ananda Radhika por Peripatético

Melhor Fotografia: Renata Corrêa por Tentei

Melhor Direção de Arte: Pedro Franz e Rafael Coutinho por Torre

Melhor Trilha Sonora: Marlon Trindade por Nada

Melhor Som: Gustavo Andrade por Chico

Melhor Montagem: Amanda Devulsky e Marcus Curvelo por Mamata 

Prêmio especial: Peripatético, dirigido por Jéssica Queiroz

Júri Popular – Curta-metragem: Carneiro de ouro, dirigido por Dácia Ibiapina

Outros prêmios

Prêmio Canal Brasil: Chico, dirigido por Irmãos Carvalho

Prêmio Abraccine

Melhor filme de longa-metragem: Arábia, dirigido por Affonso Uchoa e João Dumans

Melhor filme de curta-metragem: Mamata, dirigido por Marcus Curvelo

Prêmio Saruê: Afronte, direção de Marcus Azevedo e Bruno Victor

Prêmio Marco Antônio Guimarães: Construindo pontes, dirigido por Heloísa Passos

Prêmio CiaRio/Naymar

Para o melhor curta pelo Júri Popular: Carneiro de ouro, dirigido por Dácia Ibiapina 

Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this page
Fields marked with an * are required

assine e receba
novidades por email

Mais Recentes

Publicidade