X

0 Comentários

Artigos

“A máquina” da vergonha

Câmera Clara, #18, 3 de abril de 2006

Por Luiz Joaquim | 03.09.2017 (domingo)

Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this page

* Texto publicado na coluna Câmera Clara, #18, em 3 de abril de 2006, pelo jornal Folha de Pernambuco. Acima, still do filme A Máquina (2006), de João Falcão.

 

Semana passada (março de 2006) o cinema brasileiro cometeu uma manifestação pobre e vergonhosa. A produtora Tatiana Maciel, de A Máquina, filme em cartaz dirigido por João Falcão e co-roteirizado por Adriana Falcão (da qual Tatiana é filha), criou uma comunidade de discussão no site de relacionamentos “Orkut”. Com o nome “Pshhhh! Kleber Mendonça Filho!”, a comunidade convocava os participantes a “tentar entender o que se passa na cabeça” do crítico do Jornal do Commercio.

 

Uma pessoa que, segundo o texto de apresentação escrito pela moderadora, não pode ser considerada “exatamente como um ser humano”.  A comunidade foi criada dias após a publicação, no último 24 de março, da crítica feita pelo jornalista. Com um tópico aberto pela própria Adriana Falcão – no qual copiava a letra de “Pessoa Nefasta”, de Gilberto Gil – ficou claro que a ação de Tatiana tinha o apreço da equipe criativa do filme. Outras comunidades vinculadas a de Tatiana,  como “Sempre tem um imbecil”, “Eu sou um pseudo-intelectual” e “Eu sou o dono da verdade”, deixou claro que a ação era um ataque pessoal e não à análise do profissional pernambucano.

 

Análise, inclusive, que em nenhum linha ofendia alguém. Kleber Mendonça, que exerce o ofício de crítico cinematográfico há uma década e goza de respeito nacionalmente, defendeu sua perspectiva com argumentos plausíveis e coerentes.  O ataque de Tatiana provocou uma reação dos profissionais de jornalismo cultural em todo o país. O reconhecido crítico Pablo Villaça (www.cinemaemcasa.com.br), que, ao contrário de Kleber, aprecia o filme de Falcão, tentou entrar na comunidade para questionar a posição de Tatiana. Foi impedido exatamente por esse motivo, o que revelava o grau de intolerância da tal comunidade contra a troca de idéias divergentes.

 

Na última quinta-feira, a tal comunidade (de endereço http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=10745610) foi cancelada, provavelmente pela moderadora, o que demonstra um possível reconhecimento do quão lamentável e primária foi sua expressão pelo “direito de não gostar de um pessoa”, como a própria Tatiana tentou se justificar. O problema aqui só ganhou tal dimensão pois esta expressão de “não gostar de uma pessoa” entrou no mérito de ferir um profissional por fazer seu trabalho com correção. O ocorrido criou mais uma distorção monstruosa sobre o ofício da crítica cultural e, talvez, uma palavra sintetize toda essa questão: vergonha.

 

PS: O público, através da bilheteria no fim de semana de estréia, também ‘disse’ que a A Máquina não funciona. Apenas 19.020 pessoas foram ver as 70 cópias do filme espalhadas pelo Brasil.

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this page
Fields marked with an * are required

assine e receba
novidades por email

Mais Recentes

Publicidade