X

0 Comentários

Artigos

Aeso lança mostra comemorativa de cinema

Faculdade de Olinda exibe e debate no Cine São Luiz os últimos 50 anos do país com filmes brasileiros

Por Luiz Joaquim | 15.05.2018 (terça-feira)

Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this page

Como parte das comemorações, neste 2018, dos 50 anos da Associação de Ensino Superior de Olinda (Aeso), mantenedora das Faculdades Integradas Barros Melo, a instituição, por coordenação de seu Bacharelado em Cinema e Audiovisual, lança a Mostra Aeso 50 anos em 5 sessões de cinema, agendada para acontecer no Cinema São Luiz, entre os dias 17 e 22 de maio.

Com apoio da Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe), por meio do Cinema São Luiz, e da Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro a Mostra Aeso 50 anos em 5 sessões de cinema propõe ao espectador pernambucano uma revisão comentada de quatro clássicos da cinematografia brasileiro, além de uma sessão dedicada à nova geração de realizadores locais, em formação pela Aeso.

A mostra tem como proposta colocar em foco, e discutir, a ideia de CRISE, seja política, seja personalizada em atitudes dos protagonistas nos respectivos filmes em destaque.

O filme que abre a programação, às 19h da quinta-feira 17/5, é O bravo guerreiro (1968), primeiro longa-metragem dirigido por Gustavo Dahl (1938-2011). A obra, que também completa 50 anos neste 2018, está sendo redescoberta no País e no exterior particularmente pela força de suas inquietações políticas, que se refletem hoje com o mesmo impacto de quando foi lançado há cinco décadas.

O filme ganhará destaque na edição 2018 do Festival de Cannes (FR), dentro da mostra ‘Quinzena dos Realizadores’ (também comemorando 50 anos, e tendo exibido O bravo guerreiro em sua primeira edição, em 1969). Depois do Recife, o filme terá uma exibição especial em São Paulo, em junho, no CineSesc-SP.

No enredo, Paulo César Pereio é o deputado Miguel Horta, de um pequeno partido que se opõe ao governo, mas decide ceder ao convite do partido da situação e migra para este, comprometido consigo mesmo de que ali poderá fazer mais pela causa popular, até ter que se deparar com negociações sórdidas do governo. O elenco também traz Paulo Gracindo, Ítalo Rossi e Mário Lago.

O bravo guerreiro é um filme a ser redescoberto, e está no mais alto degrau do cinema brasileiro que, ali na segunda metade dos anos 1960, junto a O desafio (1965), de Saraceni, e Terra em transe (1967), de Glauber Rocha, formavam a tríade mais politicamente incisiva e audaciosa da segunda fase do Cinema Novo.

No segundo dia, a mostra, às 19h da sexta-feira 18/5, pula para os anos 1970 e exibe talvez o mais icônico filme de Cacá Diegues: Bye Bye Brasil (1979). Como numa fábula, o filme segue a ‘Caravana Rolidei’. Uma trupe de artistas mambembes que cruzam o interior do País fazendo espetáculos para uma população que ainda não tem acesso à televisão. Pelo caminho, encontram um sanfoneiro e sua esposa, que os acompanham por um projeto falido, chamado rodovia Transamazônica, até chegar ao vilarejo de Altamira.

Bye Bye Brasil é um dos mais fortes retratos – lacônico, mas dosado com humor – de um cinema nacional que questionava as contradições e misérias do Brasil daquela década, que oficialmente se vendia como moderno e progressista. No elenco, José Wilker, Bety Faria, Fábio Júnior e Marieta Severo.

O diretor Cacá Diegues também participa da edição 2018 do Festival de Cannes, em mostra especial, com seu novo filme, O grande circo místico, novamente sobre o universo circense. Ao final da sessão de Bye Bye Brasil no São Luiz haverá um debate com o roteirista, realizador e professor de cinema da Aeso, Luiz Otávio Pereira.

No sábado (19/5), a sessão acontece à tarde, às 14h, quando a mostra vai aos anos 1980 para falar de uma história real que se transformou em Com licença eu vou à luta! (1986), filme de Lui Faria. Acompanha a transformação de uma jovem de classe média, de 15 anos (Fernanda Torres, aos 19 anos) que se rebela contra a família – a mãe opressora (Marieta Severo) e o pai militar (Reginaldo Faria) – em função de um romance com um homem 18 anos mais velho que ela (Carlos Augusto Strazzer). Pela performance, Fernanda Torres levou o prêmio de melhor atriz no Festival de 3 Continents, em Nantes-FR. Ao final da sessão, haverá debate com a produtora e professora de cinema da Aeso, Gabriela Alcântara.

O último longa da mostra – Terra estrangeira (1995), sessão domingo (20/5) às 14h – foi o filme que projetou Walter Salles, codiretor aqui ao lado de Daniela Thomas – ao fazer uma espécie de retrato 3 x 4 instantâneo de um País em colapso após a instauração do confisco da poupança pelo Governo Collor. A porta de saída do Brasil parecia ali ser o melhor caminho a tomar, com Portugal como um endereço amigável. Mais uma vez, Fernanda Torres protagoniza, ao lado de Fernando Alves Pinto. Ao final da sessão, haverá debate com o crítico de cinema do Jornal do Commercio e curador do Cinema da Fundação, Ernesto Barros.

Todos os debates serão mediados pelo coordenador do Bacharelado em Cinema e Audiovisual das Faculdades Integradas Barros Melo, Luiz Joaquim, também responsável pela curadoria e produção da mostra. Todos os longas-metragens serão exibidos em película, no formato 35mm.

O evento encerra na sessão das 16h, na terça-feira (20/5), quando apresentará uma seleção que dá uma perspectiva de futuro do cinema local, por meio de uma seleção de curtas-metragens de alunos do bacharelado de Cinema e Audiovisual das Faculdades Integradas Barros Melo. Veja detalhes abaixo.

 

VENDA DE INGRESSOS

(na bilheteria do cinema São Luiz)

De quinta-feira a domingo – R$ 5 (preço único)

Terça-feira – R$ 3 (preço único)

 

programação

Quinta-feira – 17 de maio

19h – abertura

19h30 – O Bravo Guerreiro

(1968, 35mm, 99 min., classificação indicativa: 14 anos).

De Gustavo Dahl. Com Paulo Cesar Pereiro, Mário Lago, Ítalo Rossi, Paulo Gracindo.

Sinopse – Um deputado sério e comprometido com seu eleitor (Paulo César Pereio), querendo promover mudanças, passa para o partido da oposição e tenta levar suas ideias adiante. Mas vê o seu projeto de lei ameaçado e descobre que não é a melhor pessoa para lidar com os sindicatos. Uma impressionante história sobre meandros e jogos da política no Brasil lançado em plena ditadura do AI5.

 

Sexta-feira – 18 de maio

19h – Bye Bye Brasil

(+ debate com Luiz Otávio Pereira)

(1979, 35mm, 105 min., classificação indicativa: 18 anos).

De Cacá Diegues. Com José Wilker, Bety Faria, Fábio Júnior, Zaira Zambelli, Jofre Soares, Emmanuel Cavalcante, Marieta Severo.

Sinopse – Salomé, Lorde Cigano e Andorinha são três artistas mambembes que cruzam o país com a Caravana Rolidei, fazendo espetáculos para o setor mais humilde da população brasileira e que ainda não tem acesso à televisão. A eles se juntam o sanfoneiro Ciço e sua esposa, Dasdô, com os quais a Caravana cruza a Amazônia pela rodovia Transamazônica até chegar a Altamira.

 

Sábado – 19 de maio

14h Com licença, eu vou a luta!

(+ debate com Gabriela Alcântara)

(1986, 35mm, 85 min., classificação indicativa: 14 anos).

De Lui Farias. Com Fernanda Torres, Marieta Severo, Reginaldo Faria, Carlos Augusto Strazzer.

Sinopse – Baseado numa história real, a adolescente Eliane (Fernanda Torres, em início de carreira), aos 15 anos, moradora de Nilópolis (RJ), apaixona-se por Otávio, homem 18 anos mais velho que ela, que é um intelectual e dono de uma vida simples trabalhando como técnico de polícia. Ele é divorciado e pai de dois filhos. Para seguir com o romance, Eliane precisa enfrentar a determinação de uma mãe dominadora (Marieta Severo) e a empáfia do pai militar (Reginaldo Faria), com resultados próprios de uma opressão psicológica. Prêmio de melhor atriz no Festival des 3 Continents (Nantes, FR).

 

Domingo – 20 de maio

14hTerra Estrangeira

(+ debate com Ernesto Barros)

(1995, 35mm, 110 min., classificação indicativa: 16 anos).

De Walter Salles. Com Fernanda Torres, Fernando Alves Pinto, Laura Cardoso, Alexandre Borges, Luís Melo, Tchéky Karyo.

Sinopse – Sem perspectiva de vida no Brasil após o confisco da poupança pelo Governo Collor, Paco (Fernando Alves Pinto) decide viajar para Portugal, levando uma encomenda. Ao chegar lá, conhece a brasileira Alex (Fernanda Torres) e seu namorado Miguel. Todos se envolvem com contrabando, e suas vidas viram um pesadelo. Um retrato melancólico do desencanto do brasileiro pelo seu País logo depois da primeira e frustrada eleição direta para Presidente da República após anos de ditadura militar.

 

Terça-feira – 22 de maio

16h   –  Curtas-metragens de estudantes de CINEMA E AUDIOVISUAL

Curtas-metragens realizados por alunos do curso de CINEMA E AUDIOVISUAL das Faculdades Integradas Barros Melo.   Classificação indicativa: 16 anos. Duração total: 68 min

Perigo Alta Tensão (2017, 4 min.)

De Francisco de Assis

Perdidos (2017, 2 min.)

De Herbert Silva e Renata Malta

Zornit (2017, 26 min.)

De Marcello Trigo

A terceira porta (2017, 19 min.)

De Igor Karlos

À flor da pele, (2017, 3 min.)

De Camila Queiroz, Maria Eduarda Venâncio e Lucas Carneiro.

Quanto craude no meu sovaco, (2017, 4 min.)

De Duda Menezes e Fefa Lins

Retrato da Eternidade, (2017, 3 min.)

De Pedro Arruda

Segundo eles, (2017, 7 min.).

De Gleibson Silva

Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this page
Fields marked with an * are required

assine e receba
novidades por email

Mais Recentes

Publicidade