X

0 Comentários

Críticas

Suburbicon: Bem-vindos ao paraíso

O mau cheiro do “sonho americano”

Por Luiz Joaquim | 26.12.2017 (terça-feira)

Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this page

A melhor síntese para Suburbicon: Bem-vindos ao paraíso (Suburbicon, EUA, 2017), em cartaz no Brasil desde quinta-feira (21), está já nos créditos de sua abertura. Ela apresenta a publicidade de uma bairro norte-americano planejado, nos anos 1950, que de tão exitoso ganhou uma vida social própria, pela qual seus moradores, todos brancos e de classe média alta, poderiam viver sob a égide da ordem e do bem-estar coletivo; sem nenhuma interferência do que lhes fosse diferente. Até que uma família negra – os Mayers – passa a habitar uma casa em Suburbicon, desequilibrando a paz de racistas.

Na abertura do filme, as pinturas da publicidade, com seu cenário e personagens, transformam-se em lugares reais, com pessoas de carne e osso. O que temos daí por diante na história é a superfície de uma sociedade de aparências. E é disso que trata Bem-vindos ao paraíso. Dirigido por George Clooney (seu sexto filme nesta função), a obra tem roteiro co-assinado pelo galã hollywoodiano ao lado dos Irmãos Joel e Ethan Coen, além de Grant Heslov.

Mas essa nem seria uma informação importante se o espectador tiver alguma familiaridade com o cinema dos Coen. Muito rapidamente percebe-se aqui a atmosfera ‘Coeniana’, se assim podemos chamá-la, sendo a mais forte delas a crítica à sociedade ou, sendo mais preciso, contra burrice do pensamento raso e unidimensional de uma sociedade.

No caso, o ódio inexplicável dos moradores de Suburbicon contra os Mayers aparece como um pano de fundo. Mas, ainda que esteja presente como um papel de parede dramático, é por ele que a hipocrisia ganha mais relevância na historinha que o filme nos faz acompanhar.

A historinha nos mostra que os vizinhos dos Mayers, a família Lodge, são vítimas de uma invasão domiciliar seguida por um assassinato. E nunca na história de Suburbicon algo assim havia acontecido ali.

 

A história progride e enquanto a comunidade segue pondo na conta dos Mayers, ainda que de forma velada, o desequilíbrio que se abateu sobre o bairro, Clooney vai revelando aos poucos a verdadeira face de Gardner Lodge (Matt Damon), e de sua cunhada Margaret (Julianne Moore, que também interpreta a gêmea de Margaret/esposa de Gardner).

Num crescente de equívocos, em que Gardner só compromete cada vez mais seu status social e sua ideia de normalidade e controle – seus óculos remendados é uma ótima alegoria a isto -, Bem-vindos ao paraíso nos coloca ao lado da maior vítima desse imbróglio que vem a ser o filho de Gardner, o garoto Nicky (Noah Jupe, também em cartaz no filme Extraordinário).

Equilibrando-se entre a construção de um suspense clássico (com uma trilha-sonora pobre do engabelador Alexandre Desplat) e uma crítica social condimentada com pitadas de ironia e sacarmos (vide a fuga de Gardner numa bicicleta infantil, ou o sorriso falso de Margaret enquanto serve café para um chantagista – Oscar Isaac, o Poe Demeron de Star Wars: Os últimos Jedi), Suburbicon soa como um projeto menor (mas não menos interessante) dos Coen.

E, certamente, o que diminua o projeto talvez seja a direção de Clooney. O curioso é que Suburbicon não é um subproduto. Deve ser lembrado no futuro como um bom espelho hollywoodiano sobre a sociedade que a criou. O entrave talvez esteja numa sombra: o histórico dos Coen, que já nos deram (e continuam dando) verdadeiras obras-primas cinematográficas sobre a o lado obscuro do ser-humano. Sempre nos fazendo rir ao mesmo tempo que nos espantamos com ele. Assim como Clooney se esforçou para fazer aqui no seu Suburbicon.

Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this page
Fields marked with an * are required

assine e receba
novidades por email

Mais Recentes

Publicidade