X

0 Comentários

Críticas

Moonfall: Ameaça Lunar

Houston, we have an evil moon

Por Luiz Joaquim | 04.02.2022 (sexta-feira)

A fórmula é antiga e Rolland Emmerich é um de seus mais bem-$ucedidos propagadores. Pega-se um punhado de drama familiar, e se as relações forem disfuncionais com direito à redenção, melhor; coloca-se a pitada da presença de um nerd, que sempre ouviu ser xingado de looser para depois apresentá-lo como o verdadeiro herói de todos nós; e recheia-se a receita com uma tonelada de efeitos CGI mostrando o fim do mundo para termos mais um elemento formador do parque de diversão visual que também lançou Independece Day (1996 e 2016), O dia depois de amanhã (2004) e 2012 (2009).

Isso só para ficar em alguns dos espetáculos ocos e milionários que Emmerich pariu para o mundo.

No novo (novo?) Moonfall: ameaça lunar (Moonfall, EUA, 2022) a palavra ‘oco’, a propósito, é valiosa pois ela remete a um fato comprovado, ocorrido em novembro de 1969, quando a missão Apollo 12 provocou a colisão de uma peça de 2,5 toneladas na Lua e, para a surpresa de todos, o satélite natural da Terra ressoou como um sino por quase uma hora.

A expressão “satélite natural” é o que está em jogo no enredo, e o nerd da vez, o rechonchudinho e simpático KC (John Bradlay) é o responsável por, no enredo, provocar a imaginação do espectador.

Além do assunto sobre a reverberação da Lua, que ele fala para uma plateia de criancinhas que visitam a NASA (e para as criancinhas no auditório do cinema), KC também lembra que, nos anos 1960, o deus Carl Sagan já dizia que um satélite natural não poderia ser oco.

O que leva à ideia de que: se não é natural só poderia ser uma megaestrutura construída por uma inteligência extra-terrestre.

Pela ótica da ciência, as afirmativas não podem ser tão taxativas assim, mas estamos falando da ciência hollywoodiana e, para esta, o superficial é o suficiente para criar situações limítrofes com o objetivo de deixar o espectador pensando: “agora não dá mais… ele não vai conseguir sair dessa”.

Uma coisa pode ser dita aqui: Roland Emmerich é esperto na montagem de sua montanha-russa de emoções, pondo vítimas e desacreditados ou desvalidos no lugar de heróis. De bobos da vez, eles passam a serem os únicos possíveis de salvar a Terra da destruição (mais uma vez, promovida pelos ETs do mal). Como não simpatizar com eles?

Aqui, a iminência da Terra acabar está no impacto que receberá da Lua. Ela começou a sair de sua órbita após bilhões de anos circundando a Terra. Um acidente envolvendo a tripulação de uma aeronave espacial, numa missão em 2011, já dava a pista de que algo estava errado, mas é claro que as autoridades renegaram o depoimento da única pessoa que testemunhou o evento, o astronauta Brian (Patrick Wilson).

Veja esta sequência no clip abaixo

 

Como muitos devem saber, a aproximação da Lua causaria uma série de mudanças climáticas na Terra. E na velocidade de aproximação que o filme sugere, os efeitos seriam catastróficos.

E é exatamente isso que interessa a Emmerich: o apocalipse, para, por ele, apresentar os seus heróis. Curioso é também observar algo que já iniciou há mais de uma década em Hollywood, considerando o mercado exibidor Chinês: constatar a presença de orientais no elenco, que, mesmo com papeis discretos, têm seu destaque em situações definidoras.

O merchandising é também uma já bem azeitadas ação em filmes dessa natureza, que, aqui, inclui uma perseguição de carros enquanto tudo é destruído pela alteração da gravidade na Terra. O espetáculo, que lembra um videogame fora do nosso comando, é a vitrine para o lançamento do carro Lexus NX (veja aqui), assim como, por exemplo, foi a bobadagem chamada Batman VS Superman: A origem da justiça servindo de vitrine para o lançamento do Renegade, da JEEP. Não recorda? Veja aqui.

Mas Moonfall corre tanto em sua narrativa quanto o carro que propagandeia para pular logo para as aventuras dos dois heróis desacreditados da vez – KC e Brian – em salvar a Planeta.

E sobre essa aventura, se o espectador estiver com o espírito de um adolescente ao ir assistir as presepadas dessa dupla na Lua – acompanhados da personagem de Halle Barry, como a motherfucker da NASA -, é provável que o seu contentamento seja alcançado.

Do ponto de vista humano, ou familiar, vale observar o ensejo do filme no sagrado quando o assunto é o amor paterno/materno pelos filhos, e vice-versa; mas Moonfall parece não acreditar no casamento, apenas no divórcio.

A julgar pelo entusiasmo dos influencers ao final da sessão cabine dedicada à divulgação do filme (antes conhecida como ‘cabine de imprensa’), quando quase todos eles pareciam ter acabado de testemunhar um novo Ben-hur ou um novo 2001: Uma odisseia no espaço, essa nova montanha-russa do Emmerich deverá fazer um bom dinheiro.

P.S. – E já que já falamos em Carl Sagan, não custa também lembrar que Moonfall , em sua solução final no contato com os ETs, pegou carona na solução final de Contato, romance do cientista que virou um belo filme pelas mãos de Robert Zemeckis em 1997.

Fields marked with an * are required

assine e receba
novidades por email

Mais Recentes

Publicidade