X

0 Comentários

Entrevistas

Entrevista: Domingos Oliveira (Gramado 2013)

Domingos: Meu ofício é dizer o que penso

Por Luiz Joaquim | 26.08.2013 (segunda-feira)

“O que é um bom filme? É aquele que o ajuda a entender a vida. Que lhe mostra coisas que não fariam sentido se apenas ditas com palavras.O cinema é um bisturi. Alcança lugares onde nenhuma outra arte chega. Nem mesmo o teatro chega lá. Ele fala com o inconsciente das pessoas. O cinema explica a vida em sua profundidade. Tem uma importância social. É uma função criadora de caráter, e essa função é primorosa. Reivindico que se diga aos berros que o cinema é necessário!”.

As palavras apaixonadas e graves foram ditas pelo dramaturgo e cineasta Domingos Oliveira, 76 anos, durante entrevista no Festival de Cinema de Gramado que o premiou com o Kikito de roteiro pelo filme “O Primeiro Dia de Um Ano Qualquer”. O seu 15º de uma lista de 16 títulos iniciada há 47 anos com o clássico “Todas as Mulheres do Mundo”.

Em tempos de captação de recursos por leis de incentivo à cultura, o cineasta revelou que seu prestígio nem lhe ajuda tanto na hora de angariar patrocínio. “Ouvi recentemente de um distribuidor que o meu cinema era muito -cabeça-. Engraçado que na época do Cinema Novo eu era chamado de -alienado-. Parece que a situação piorou muito, não é?”, comentou provocando risos. “Meu cinema pode atingir poucos, mas sei que atinge profundamente e gera frutos. A mim o que importa é o conteúdo, e não a forma”.

“O cinema no Brasil é um bom negócio. Pode atingir milhões de pessoas. Já está provado. Mas o cinema brasileiro vai indo muito mal. Me incomodam essas chachadas da pior espécie. O cinema tem muito mais força que isto. Mas a possibilidade de mudar essa realidade é a mesma de mudar a imbecilidade do País. Daí acho que deveria existir o Ministério das Artes, por mais antipático que o nome seja. E ainda insisto em fazer filmes porque meu ofício é dizer o que penso. Muitas coisas fazemos sem esperança. A minha esperança única é que o público encha o saco desses filmes mal-intencionados”, alfineta.

Cineasta deve lançar três filmes até 2014
Domingos falou também de outros três projetos. Um deles é o concluído “Paixão e Acaso” – já visto e comentado pela Folha em outubro do ano passado. Há também “Barata Ribeiro”, que ainda passa pelo desenvolvimento do roteiro e que o cineasta apenas garantiu ser “um filmão”.

O terceiro projeto – cujo nome provisório é “Questão de Família” e traz Fernanda Montenegro no elenco – inicia as filmagens em outubro. É ele que mais empolga o diretor. “É bonito ver o prestígio de uma pessoa. E a Fernanda tem isso. Por causa dela conseguimos um dinheirinho para produzi-lo”, adiantou.

O filme é uma adaptação da peça “Do Fundo do Lago Escuro” e situa-se nos anos 1950. Fernanda viverá Dona Mocinha, a matriarca de uma típica família brasileira. O que me interessa nessa história é falar sobre a paixão pela ordem. Sobre a imensa necessidade de ordem que os homens de um modo geral possuem. Tudo tem de ter regras, tudo tem de ter tabus. É um escândalo que os homens sejam capazes de matar para não ter de passar por uma desordem”, diz.

“Outra graça nessa história reside na mentira. Essa linguagem já instituicionalidade pelo brasileiro”. Ainda no elenco, estarão Priscila Rozenbaum, Ricardo Kosovski e Paulo Betti.

PS – Em “Paixão e Acaso”, Domingos Oliveira trabalha com o jovem cineasta Matheus Souza. Em “O Primeiro Dia de Um Ano Qualquer”, Adriana Falcão tem um papel importante. Sobre sua aproximação com essa nova geração, o veterano contou que na sua cabeça ele tem 18 ou 20 anos. “Você não se sente velho, se sente doente. Eu faço questões de saber o que uma criança de oito anos tem a me dizer, porque sei que ela tem muito a me ensinar, tanto quanto tem um velho de 180 anos, se ele existisse. Afinal um homem é feito pelo outro, para o outro”.

Os filmes de Domingos Oliveira
Todas as Mulheres do Mundo (1966)
Edu, Coração de Ouro (1967)
As Duas Faces da Moeda (1969)
É Simonal (1970)
A Culpa (1971)
Deliciosas Traições do Amor (1973)
Teu Tua (1977)
Vida, Vida (1978)
Amores (1997)
Separações (2002)
Feminices (2005)
Carreiras (2006)
Juventude (2008)
Todo Mundo Tem Problemas Sexuais (2008)
Primeiro Dia de Um Ano Qualquer (2012)
Paixão e Acaso (2012)
Questão de Família (em produção)
Barata Ribeiro (em pré-produção)

Fields marked with an * are required

assine e receba
novidades por email

Mais Recentes

Publicidade