X

0 Comentários

Artigos

2º 8 ½ Festa (2018) – Recife

A Itália nos convida, pelo segundo ano, para uma festa culturalmente rica e envolvente.

Por Luiz Joaquim | 02.08.2018 (quinta-feira)

Há poucos meses acompanhamos no Recife o 17º Festival Varilux do Cinema Francês, que começou a ganhar característica muito particular nos últimos dez anos (entenda o porquê clicando aqui). Hoje (2) tem início no Brasil – e segue até 8 de agosto – a 2ª edição do 8 ½ Festa do Cinema Italiano (no Recife acontecendo pelo segundo ano no Cine São Luiz), que não tem a mesma dimensão – em termos de volume de filmes – do evento francês, mas tem igual (e talvez até maior) valor que o Varilux.

Por que talvez maior? Primeiro porque a contemporânea cinematografia italiana não chega ao Brasil com a mesma frequência com a qual nos chega a francesa. Segundo porque o panorama que o Festa nos dá a respeito da atual produção da Itália, ainda que trazendo (e rápido) medalhões premiados em grandes festivais (como filmes Fortunata – foto acima -, Dogman e Nico 1988), temos também filmes mundialmente mais discretos, por assim dizer, emprestando uma característica de descoberta ao espectador. Aspecto que deve ser muito caro a qualquer festival que se preze.

Respectivamente premiados pelo prêmio de melhor atriz na Un Certain Regard de Cannes (2017); de melhor ator na competitiva do mesmo festival (edição 2018);  e de melhor filme na mostra Orizzonti, no Festival de Veneza (2017) – os filmes citados acima devem atrair a atenção imediata dos cinéfilos, assim como A garota da névoa, considerando o protagonismo do sempre bom Toni Servillo (ator consagrado pelo oscarizado A grande beleza, 2013, de Paolo Sorrentino); sem falar no Uma questão pessoal, com o selo, na direção, dos Irmão Taviani (de Pai Patrão; Bom dia Babilônia) – mas, atenção, o público não deve perder a chance de descobrir os outros seis títulos que compõem esse Festa; pois pode ser a única vez a vê-lo numa sala de cinema (ao menos no Recife). Confira a sinopse de todos os títulos mais abaixo, ao final dessa matéria.

O Festa já conta com dez anos de sucesso em dezenas de cidades lusófonas e em três continentes diferentes e, para nossa felicidade, começa a ganhar espaço no processo para crescer também no Brasil. Além do número de cidades, que aumentaram do ano passado para cá, o número de filmes apresentados e as sessões  programadas também subiram, serão quase 300 em uma semana de exibição.

No Brasil, O evento é organizado pela Associação Il Sorpasso em colaboração com Mottironi Editore e com o apoio institucional da Embaixada da Itália em Brasília, dos Institutos Italianos de Cultura de São Paulo e Rio de Janeiro e do Cinecittà Luce. Além disso, conta ainda com a colaboração da rede de Consulados Italianos em todas as cidades que recebem o festival pelo País.

FORTUNATA – Abrindo o 2º 8 ½ Festa hoje no Recife, às 20h (embora haja também sessões às 15h e 17h30, veja horários abaixo) está Fortunata (2017), de Sergio Castellitto, que tem longa carreira como ator e aqui assume seu quarto longa-metragem como diretor.

Em português, ´fortunata´pode ser entendido uma pessoa afortunada, sortuda. Mas a protagonista aqui (a ótima Jasmine Trinca), que leva esse nome, parece só conhecer o oposto disso. Mãe da pequena Bárbara (Nicole Centanni, incrível) de oito anos, Fortunata sonha em abrir seu próprio salão de beleza no subúrbio romano.

Enquanto não realiza tal sonho, bate de porta em porta fazendo o seu trabalho de cabeleireira à domicílio. Ao mesmo tempo, sofre com o assédio do violento ex-marido (ainda legalmente não separado, mas morando já em endereços diferentes), com ele exigindo a guarda da filha Bárbara.

Há dois focos aqui em Fortunata, o que talvez diminua a força do filme – muito sustentada, diga-se de passagem, pela presença de Trinca e Centanni. O primeiro está na pequena Bárbara e no esforço de Fortunata para que seu equilíbrio seja reestabelecido em função da separação dos pais. Por esse esforço, passa a levar a menina semanalmente a um psicólogo.

O segundo foco destaca a contínua busca de Fortunata por sua independência, algo que esbarrava, inclusive, no simples fato dela ser uma mulher, e não um homem.

De um modo transversal, o tema geral que perpassa Fortunata, o filme, é a relação entre pais e filhos, que Castellitto costura muito bem na história de absolutamente todos os seus personagens. Desde o psicólogo, até o ex-marido de Fortunata (Edoardo Pesce), que voltou a morar com a mãe, entrando nessa conta também Chicano (Alessandro Borghi), o melhor amigo de Fortunata, cuja mãe sofre de Alzheimer.

Do ponto vista da construção cinematográfica, Fortunata é objetivo em sua narrativa mas pode ser também surpreendente em algumas opções estéticas. Para ilustrar isso, basta um exemplo. Acontece quando há um acidente e Castellitto nos dá a gravidade dessa situação com apenas três personagens movimentando a cabeça.

  • Confira o site oficial do 2º 8 ½ Festa clicando aqui.
  • Confira abaixo toda programação do 2º 8 ½ Festa do Cinema Italiano no Cine São Luiz (Recife) seguida pela sinopse dos filmes programados:
  • 02 DE AGOSTO (QUINTA-FEIRA)

15h EMMA

17h30 AQUI EM CASA TUDO BEM 108′

20h FORTUNATA 103′ (filme de abertura)

  • 03 DE AGOSTO (SEXTA-FEIRA)

15h A TERNURA 103′

17h30 A VIDA EM FAMÍLIA 110′

20h DOGMAN 100′

  • 04 DE AGOSTO (SÁBADO)

15h FORTUNATA 103′

17h30 AQUI EM CASA TUDO BEM 108′

20h A GAROTA NA NÉVOA 127′

  • 05 DE AGOSTO (DOMINGO)

15h POBRES MAS RICOS 90′

17h30 MADE IN ITALY 104′

20h A VIDA EM FAMÍLIA 110′

  • 06 DE AGOSTO (SEGUNDA-FEIRA)

15h A GAROTA NA NÉVOA 127′

17h30 EMMA

20h UMA QUESTÃO PESSOAL

  • 07 DE AGOSTO (TERÇA-FEIRA)

15h A TERNURA

17h30 POBRES MAS RICOS 90′

20h NICO 1988

  • 08 DE AGOSTO (QUARTA-FEIRA)

15h MADE IN ITALY 104′

17h30 NICO 1988

20h UMA QUESTÃO PESSOAL

INGRESSOS

R$ 10 (inteira)

R$ 5 (Meia/Estudante)

SINOPSES

DOGMAN

Matteo Garrone

ITÁLIA // 2018 //100’// OV// LEG.BR // 16 ANOS

Marcello é um homem franzino e tranquilo que trabalha em um modesto petshop na periferia de Roma. Mantém uma ambígua relação de submissão com Simone, um ex-boxeador que aterroriza o bairro inteiro. Mas após mais uma prepotência do violento amigo, Marcello planeja uma terrível vingança. Baseado em uma das páginas das crônicas mais sangrentas do recente passado italiano, Dogman consegue tornar-se um inquietante retrato sobre a Itália dos dias de hoje, onde não existe a solidariedade e a lei vigente é a do mais forte. Palma de Ouro em Cannes pela magnífica interpretação de Marcello Fonte.

EMMA (IL COLORE NASCOSTO DELLE COSE)

Silvio Soldini

ITÁLIA // 2017 //115’// OV// LEG.BR  // 14 ANOS

Teo é um homem criativo, seguro de si, trabalha em uma grande agência de publicidade e vive rodeado de mulheres. Mas um dia conhece Emma, uma médica osteopata, que faz das suas limitações as suas melhores qualidades. Emma, que desde criança possui deficiência visual, utiliza os outros sentidos para interagir com o mundo à sua volta. Uma história de amor única, tenra e original, onde os protagonistas aprendem a deixar-se conduzir em uma escuridão que não provoca medo. Apresentado no Festival de Veneza, o filme conta com uma grande atuação de Valeria Golino, em um papel exigente, mas perfeitamente interpretado.

A VIDA EM FAMÍLIA (LA VITA IN COMUNE)

Eduardo Winspeare

ITÁLIA // 2017 //110’// OV// LEG.BR // 12 ANOS

Em Disperata, uma pequena cidade no sul da Itália, o melancólico Filippo Pisanelli se sente terrivelmente incompetente em seu papel de prefeito. Somente seu amor pela poesia e sua paixão pelas leituras que faz aos detentos da região dão algum alívio a seu estado de depressão. Na prisão, ele conhece Pati, um ladrão de galinhas também nascido em Disperata. O ladrão e seu irmão sonhavam em se tornar os chefes da máfia de Capo di Leuca, mas o encontro com a literatura muda tudo e uma amizade incomum surge entre os três, potencializando escolhas corajosas. Um dos filmes mais bem acolhidos no Festival de Veneza 2017.

 

NICO, 1988

Susanna Nicchiarelli

ITÁLIA // 2017 // 93’// OV: Inglês/ Alemão/ Checo // LEG.BR // 14 ANOS

Vencedor da Mostra Orizzonti no Festival de Veneza, Nico, 1988 é uma cinebiografia musical sobre a última fase da vida de Nico, ícone feminino dos Velvet Underground e musa de Andy Warhol. O filme retrata a vocalista naquela que seria a sua última turnê solo, enquanto tenta restabelecer a relação com o filho e lidar com a sua dependência química e depressão. Retratar uma figura tão icônica como a de Nico não se previa tarefa fácil, mas Susanna Nicchiarelli conseguiu um excelente resultado através de um  filme onde o fragmento é mais importante do que a totalidade, onde o olhar cansado e desiludido de Trine Dyrholm, a maravilhosa atriz dinamarquesa que interpreta Nico, esconde mil histórias que não precisam ser contadas.

UMA QUESTÃO PESSOAL (UNA QUESTIONE PRIVATA)

Paolo e Vittorio Taviani

ITÁLIA // 2017 // 84’// LEG. BR // LEG.EN // 14 ANOS

1943, durante a guerra de libertação nas Langhe, as colinas do sul do Piemonte, o militar Milton encontra-se dividido entre a luta contra os nazi-fascistas, a amizade com os companheiros do exército e o seu amor clandestino por Fulvia. Paolo e Vittorio Taviani confrontam uma das obras mais importantes da literatura italiana, Uma Questão Pessoal, de Beppe Fenoglio. Este filme atesta a longa militância cinematográfica dos realizadores de Padre Padrone e de César Deve Morrer confirmando, simultaneamente, a juventude artística da dupla com uma obra de grande rigor filológico, mas capaz de surpreender o espectador.

A CASA TUTTI BENE (AQUI EM CASA TUDO BEM)

Gabriele Muccino

ITÁLIA // 2018 // 105’// LEG. BR // 14 ANOS

São as bodas de ouro de Pietro e Alba, ocasião única para festejar convidando a família inteira para a maravilhosa Ilha de Ischia, em Nápoles.Música, comida e sorrisos acompanham este encontro, mas quando uma tempestade bloqueia o numeroso grupo na ilha, obrigando-os a compartilhar a casa, os rancores e as hipocrisias escondidas durante muitos anos emergem de forma imprevista.

Grande sucesso de bilheteria e com um elenco de grandes intérpretes, “A casa tutti bene” marca o regresso de Gabriele Muccino ao cinema italiano (À Procura da Felicidade, O Último Beijo) com um filme de grande impacto emotivo.

A GAROTA NA NÉVOA (LA RAGAZZA NELLA NEBBIA)

Donato Carrisi

ITÁLIA // 2017 // 127’// LEG. BR // 14 ANOS

Uma adolescente desaparece em uma aldeia alpina do norte da Itália. Imediatamente, encontra-se um bode expiatório, um professor que chegou recentemente e de quem pouco se sabe.

A primeira obra cinematográfica de Donato Carrisi, um dos escritores italianos de romances policiais mais conhecidos internacionalmente, A Garota na Névoa é um filme de grandes ambições com uma realização soberba e um elenco notável (Toni Servillo e Jean Reno). A construção da intriga, cheia de surpresas, mistura-se com a crítica ao papel ambíguo desempenhado pelos meios de comunicação, envolvendo o espectador num conto pouco banal.

FORTUNATA

Sergio Castellitto

ITÁLIA // 2017 // 103’// LEG.BR // 16 ANOS // 16 ANOS

Fortunata tem uma vida atormentada, uma filha de oito anos e um casamento fracassado. Cabeleireira à domicílio, vive nos subúrbios e atravessa a cidade diariamente para tratar do cabelo de senhoras burguesas. Fortunata luta todos os dias com uma determinação feroz para realizar seu sonho: abrir o seu próprio salão e controlar o seu destino, conquistando a sua independência e o direito à felicidade. Fortunata é uma incursão íntima e poderosa na Itália de hoje, que luta para chegar ao fim do mês e que, apesar das dificuldades, com seu voluntarismo, consegue manter a cabeça erguida. Um hino poético à fúria de viver, com Sergio Castellitto muito inspirado e uma combativa Jasmine Trinca, agraciada com o prêmio de Melhor Atriz no Un Certain Regard, do Festival de Cannes 2017.

MADE IN ITALY

Luciano Ligabue

ITÁLIA // 2018 // 104’ // LEG.BR // 14 ANOS

Riko é um homem com grandes virtudes, mas com pouca sorte, preso em um trabalho que não lhe permite manter a família e em luta contínua contra uma sociedade que não o representa. Mas Riko tem um recurso especial, seus amigos, com os quais enfrenta qualquer dificuldade.

Numa Itália onde a precariedade profissional e sentimental tornou-se normalidade, Luciano Ligabue, famosíssimo músico italiano, nos conta uma história de grande humanidade, onde os sentimentos das pessoas ecoam mais forte que tudo.

LA TENEREZZA (A TERNURA)

Gianni Amelio

ITÁLIA // 2017 // 103’ // LEG.BR // 14 ANOS

Lorenzo, um advogado aposentado que vive em Nápoles, é egoísta, incapaz de amar, e está brigado com os seus próprios filhos. De volta a casa depois de ter um ataque cardíaco, desenvolve uma inexplicável afeição pelos novos vizinhos, uma família que acabou de se mudar para a casa da frente. A harmonia cresce entre as duas famílias até que um drama imprevisível perturba a existência de todos. Um melodrama sóbrio e implodido, atravessado por esmagadoras forças subterrâneas, capaz de explorar com atenção e intuito a complexidade dos sentimentos humanos. Gianni Amelio, um dos mais relevantes realizadores da sua geração (As Chaves de Casa, O Ladrão de Crianças) regressa com um filme magistral sobre a necessidade insubstituível da ternura que todos procuramos.

POVERI MA RICCHI (POBRES, MAS RICOS)

Fausto Brizzi

ITÁLIA // 2016 // 90’// LEG.BR // 12 ANOS

Os Tucci, uma família muito humilde de uma aldeia na região de Lazio, ganharam na loteria. Tornam-se bilionários e decidem ir para Milão, viver em um hotel 5 estrelas, para desfrutar da vida noturna e dos luxos. No entanto, começam a perceber que os tempos mudaram e que os ricos de hoje não são como os do passado: são discretos, ambientalistas, apoiam causas  sociais e andam de bicicleta. Baseada em uma comédia francesa de grande sucesso, Les Tuche, o filme revela o típico humor da comédia italiana, com atores competentes e diálogos espirituosos. Após o incrível sucesso, já existe uma continuação na Itália: Poveri ma ricchissimi.

Fields marked with an * are required

assine e receba
novidades por email

Mais Recentes

Publicidade